quinta-feira, 18 de março de 2010

Vivendo e desaprendendo

Depois de ouvir milhares de vezes, sem curiosidade nenhuma, a palavra "flyer" descobri hoje do que se trata: folhetos publicitários, panfletos. Papel com informação sobre algum produto ou evento.

Algum historiador do futuro, se houver futuro, talvez consiga precisar o motivo pelo qual os brasileiros passaram a usar palavras estrangeiras para designar coisas que já existiam e tinham nome adequado em português. Para mim é um mistério. Quando é que alguém "descobriu" que "delivery" descreve melhor o ato de entregar em domicílio do que "entrega em domicílio"?. Mercados e lojas fizeram entregas por décadas e agora fazem "delivery". Lojas ao invés de dar descontos colocam os preços "off".

O mais interessante é que conseguem usar palavras e expressões em inglês que ingleses e americanos NÃO usam e não sabem o que significa. Maravilhas como "no break". Tente comprar um "no break" num país cujo idioma nativo seja o inglês para ver o resultado.

Outras maravilhas do idioma brasileiro:
Folder,
Banner,
Go Ahead,
Starte,
Budget,
Customização,
Randomizado,
Personal qualquer coisa...

Eu quase pedi asilo na França quando descobri que as empresas não têm mais orçamento, tem "budget". Imagino no futuro, se houver futuro, pessoas pedindo ao personal taylor um suit customizado.

Adendo: brasileiros usam "point" como se significasse "ponto de encontro", um lugar de reunião, um lugar agradável onde as pessoas vão para encontrar-se. O Merriam-Webster  tem 19 significados para a palavra "point" e nenhuma com esse sentido. Em Jundiaí existe uma loja chamada Hot Point, nome somente inteligível para brasileiros. Ingleses e americanos devem ter até receio de um lugar com esse nome, nunca imaginariam que é uma loja de roupas.

7 comentários:

Carlos disse...

É que brasileiro metido a besta, além de gostar de mostrar que conhece "ingreis", quando não sabe nem a lingua pátria direito, ainda tem a mania de abreviar o anglicismo, como nesse caso do "point", que foi reduzido do "meet point", ponto de encontro na lingua obamistica...


Carlos, o Pé

antonio disse...

Concordo plenamente. Mas é entrega em domicílio. Antonio.

Anônimo disse...

Hot point não é aquele lugar onde o sol nunca bate?

Esquerdopata disse...

Verdade, é entrega em domicílio.

Felipe Amaral disse...

Os que que mais detesto são "know how" e "benchmark". Putz, esses estrangeirismos me dão nos nervos também.

Anônimo disse...

Drive through é uma que me mata de raiva.

Quarto Poder SP disse...

Acho estranho quando leio um "Disk", referindo ao ato defazeruma ligação. VErbalizaram o discar para o ingles

Real Time Web Analytics