segunda-feira, 31 de maio de 2010

Gaza, a Auschwitz palestina



Latuff e o massacre da Frota da Liberdade

Boa notícia: a Folha de S. Paulo não vai piorar mais


Mais claro abaixo:

O que falta para o PSDB ser um partido fascista?

O PSDB divulgou nota nesta quinta-feira dizendo que o Brasil tem "história de compromissos com a paz e a democracia" e que, por isso, é preciso evitar "tomar partido por um dos lados" no conflito entre israelenses e palestinos.

Entre o terrorismo de estado e suas vítimas o PSDB fica neutro.
Entre os golpistas de Honduras e a democracia o PSDB apoiou o golpe.

O que falta para ser fascista um partido que combate a democracia, apóia massacres e sonha com golpes?

O que começou como a "parte limpa" do PMDB, a "social democracia brasileira", um partido de intelectuais com um projeto de país, terminou como uma quadrilha corrupta e golpista, inflada pela mídia e sustentada pela ala mais podre da elite econômica. 

Occupation 101

Documentário legendado sobre a ocupação da Palestina

Sionismo não é judaísmo



Judeus ortodoxos rejeitam sionismo

O Neturei Karta tem uma solução para o Oriente Médio: A dissolução do estado sionista e a devolução dos territórios roubados aos palestinos. Nem mais, nem menos.

Brasil condena terrorismo israelense

Nota oficial do Ministério das Relações Exteriores

31/05/2010 – Com choque e consternação, o Governo brasileiro recebeu a notícia do ataque israelense a um dos barcos da flotilha que levava ajuda humanitária internacional à Faixa de Gaza, do qual resultou a morte de mais de uma dezena de pessoas, além de ferimentos em outros integrantes.

O Brasil condena, em termos veementes, a ação israelense, uma vez que não há justificativa para intervenção militar em comboio pacífico, de caráter estritamente humanitário. O fato é agravado por ter ocorrido, segundo as informações disponíveis, em águas internacionais. O Brasil considera que o incidente deva ser objeto de investigação independente, que esclareça plenamente os fatos à luz do Direito Humanitário e do Direito Internacional como um todo.

Os trágicos resultados da operação militar israelense denotam, uma vez mais, a necessidade de que seja levantado, imediatamente, o bloqueio imposto à Faixa de Gaza, com vistas a garantir a liberdade de locomoção de seus habitantes e o livre acesso de alimentos, remédios e bens de consumo àquela região.

Preocupa especialmente ao Governo brasileiro a notícia de que uma brasileira, Iara Lee, estava numa das embarcações que compunha a flotilha humanitária. O Ministro Celso Amorim, ao solidarizar-se com os familiares das vítimas do ataque, determinou que fossem tomadas providências imediatas para a localização da cidadã brasileira.

A Representante do Brasil junto à ONU foi instruída a apoiar a convocação de reunião extraordinária do Conselho de Segurança das Nações Unidas para discutir a operação militar israelense.

O Embaixador de Israel no Brasil está sendo chamado ao Itamaraty para que seja manifestada a indignação do Governo Brasileiro com o incidente e a preocupação com a situação da cidadã brasileira.

A Barbárie de Israel Contra Pacifistas – Onde Entra o Brasil Nisso

Laerte Braga

Uma das mais covardes ações terroristas do governo sionista de Israel foi o ataque a uma flotilha de nove navios, com 800 passageiros de diversas partes do mundo, todos pacifistas, que levavam alimentos, medicamentos e toda a sorte de auxílio a palestinos da Faixa de Gaza, submetida a um bloqueio que revela o caráter terrorista do governo de Tel Aviv, tanto quanto, as pretensões bélicas ao contrário do discurso de negociações que Israel faz de público ao mundo.

São terroristas covardes, desumanos e repulsivos.

Cerca de quinze pessoas morreram nos ataques, feitos em águas internacionais e o governo turco, um dos aliados de Israel ameaça romper relações com o governo nazista de Tel Aviv. As manifestações de repúdio a esse ato de boçalidade do governo sionista ocorrem em todo o mundo e nem Obama pode dizer neste momento que Israel agiu em legítima defesa, como costumam fazer os presidentes norte-americanos.

O ataque vem em seguida a uma decisão do governo de Israel de não discutir a questão das armas nucleares, já que é um dos países que detém esse tipo de arma.

Em todo o Oriente Médio, mesmo em governos favoráveis a negociações de paz, há temores de um conflito de maior proporção e grandes manifestações, como no Egito e na Jordânia – que têm tratado de paz com Israel – de protesto contra a boçalidade das SS navais de Israel.

O presidente do Irã, freqüentemente acusado de terrorista, na sórdida política de mentiras da organização ESTADOS UNIDOS/ISRAEL TERRORISMO S/A disse que “essa violência apressará o fim do regime sionista, regime sinistro e de simulacro”. Notem que ao contrário do que costuma dizer a GLOBO por aqui, Ahmadinejad não disse que o ataque terrorista significa o fim de Israel, mas do regime sionista. É completamente diferente.

O secretário geral da Liga Árabe, que busca formas de paz através de negociações, disse que o ato do governo terrorista de Israel mostra que “Israel não está preparada para a paz”. Amr Moussa convocou uma reunião de emergência para discutir o ato de terrorismo sionista em Qatar e a reação dos países árabes deve ser a de exigir que os EUA, parceiro e sócios de Israel em ESTADOS UNIDOS/ISRAEL TERRORISMO S/A, tomem atitudes que ponham fim a violência deliberada e genocida imposta ao povo palestino pelos sionistas.

A estupidez e a boçalidade do governo de Israel podem ser vistos em

http://gazafreedommarch.org/cms/en/home.aspx

O número de mortos pode aumentar já existem cinqüenta feridos, das mais diversas nacionalidades e todos integrantes de grupos pacifistas. Pretendiam levar ajuda humanitária aos habitantes da Faixa de Gaza.

Em mensagem no twitter, um dos mais importantes canais de comunicação da rede mundial de computadores, há um alerta – “se Israel faz isso de público diante do mundo, o que não faz por trás do muro que construiu em terras palestinas?”

O cerco a Gaza começou depois que um fanático sionista assassinou o primeiro-ministro israelense Itzak Rabin, logo após a assinatura de um tratado de paz com Yasser Arafat, que previa o fim da guerra e a fundação do Estado Palestino como determinam resoluções da ONU. O grupo nazi de Israel assumiu o poder com a vitória do Hamas nas eleições em Gaza e rompeu todos os acordos.

De Ariel Sharon para o governo atual a escalada do terrorismo sionista aumentou em todos os sentidos e a política de extermínio de palestinos é prática do governo israelense. Homens são assassinados, mulheres são estupradas, crianças são mortas, isso diariamente, tudo com o aval de Washington.

Não há uma única decisão da ONU que censure Israel que tenha sido cumprida, ou que tenha gerado sanções e tampouco os EUA falam nas armas nucleares de Israel (chegou a oferecê-las ao governo branco da África do Sul para eliminar populações negras).

O mundo odeia Israel foi a conclusão a que chegou uma pesquisa sobre a forma como aquele estado terrorista conduz suas ações contra os palestinos.

Não há diferenças entre o holocausto contra o povo judeu nos campos de concentração nazistas, e o que fazem a palestinos, pois Hitler vive em Israel e governa Israel.

O acordo firmado pelo Brasil, Turquia e Irã para controle e inspeção do programa nuclear iraniano frustrou planos de ações militares de Israel e dos EUA contra aquele país, já que não desejam a paz, mas vivem da guerra e das atrocidades que cometem contra palestinos. Sustentam interesses econômicos de empresas petrolíferas na região, governos ditatoriais no Egito, na Arábia Saudita, na Jordânia, com amplo respaldo do governo dos EUA e dos grupos sionistas, principais acionistas de ESTADOS UNIDOS/ISRAEL TERRORISMO S/A.

Osama Bin Laden é fichinha perto dessa gente.

O anúncio que o Brasil dominou o chamado ciclo do urânio aumentou o apetite bélico da empresa terrorista – ESTADOS UNIDOS/ISRAEL TERRORISMO S/A –. A perspectiva de novos atores no cenário internacional e em posições contrárias ao terrorismo desses grupos reforça a posição genocida no Oriente Médio e se volta para ofensiva contra o Brasil através da candidatura de José Arruda Serra, funcionário brasileiro da ESTADOS UNIDOS/ISRAEL TERRORISMO S/A.

É um jogo complexo, brutal, estúpido e é praticado por essa junção de duas nações dominadas por terroristas, sejam eles Bush, Obama, ou qualquer SS de Tel Aviv. Há cerca de um mês agentes da GESTAPO de Israel assassinaram um líder do Hamas em Dubai com passaportes originais ingleses e nomes falsos. É visível a cumplicidade dos britânicos com isso.

O que está em disputa é a hegemonia do terrorismo capitalista no mundo e os grupos sionistas, aliados a grupos norte-americanos formam hoje a mais estúpida e perversa organização terrorista do mundo, ESTADOS UNIDOS/ISRAEL TERRORISMO S/A, sucessora de SPECTRE.

Não há palavras que possam descrever a covardia nazi-fascista do governo de Israel contra a flotilha de navios que levava ajuda humanitária para palestinos.

O silêncio e a falta de atitudes de outros países significarão cumplicidade, omissão e isso é inaceitável, pois descaracteriza o ser humano como tal.

São monstros, monstros em todos os sentidos. Repugnantes, sórdidos. Abjetos.

Israel massacra pacifistas

O estado racista e terrorista de Israel atacou hoje um grupo de seis navios que transportava mais de 750 pessoas com ajuda humanitária para a Faixa de Gaza, causando 16 mortos e 30 feridos. O ataque ocorreu em águas internacionais, a 128 quilômetros da Faixa de Gaza, próximo ao Chipre, no Mar Mediterrâneo.

A frota levava 10 mil toneladas de ajuda humanitária para as vítimas palestinas do terror do estado sionista.

Veja abaixo cenas do massacre cometido pelo mais brutal e criminoso regime existente no mundo, integralmente sustentado pelos Estados Unidos.

Resultado das eleições na Colômbia

Apesar da mídia do mundo inteiro esconder, os números mostram uma rejeição do sistema político do país pela maioria absoluta da população.

Mesmo deixando a fraude vergonhosa de lado, constatamos que o candidato do, faz-me rir, governo popularíssimo de Uribe teve 23% dos votos e não 47%, e o "popular"  líder da oposição 10,34% e não 22%, como diz a propaganda, pelo evidente motivo que a "democracia" colombiana não motivou 51% dos eleitores a votar.

Apesar de aparentemente existirem candidatos para todos os gostos e o possível fim da era Uribe ser considerado importantíssimo, o maioria do povo colombiano se lixou para o circo eleitoral e não votou em ninguém.

O todo poderoso presidente Álvaro Uribe, mesmo fraudando descaradamente a eleição, só conseguiu 23% dos votos para eleger o chefe dos assassinatos em massa dos últimos anos como seu sucessor. A "oposição" teve pouco mais de 10%. Somados os bandidos do governo com os bandidos da oposição conseguiram um terço dos votos, grande parte dos quais conseguidos com ameaças de morte aos eleitores.

Os números são aproximados

domingo, 30 de maio de 2010

A História da Água Engarrafada


The Story of Bottled Water (Português) de Guilherme Machado no Vimeo.
(EUA, 2010, 8min. - Direção Annie Leonard)
Dos mesmos criadores do Story of Stuff.

Gentileza do Tadeu, que encontrou no Documentários de Verdade

Estadão supera Folha e ganha Prêmio igNobel de jornalismo

É, Mesquitão, não é necessário, mas é lógico e inteligente que os beneficiados pelo governo Lula/Dilma votem em Dilma. 

Pobres e ricos são muito parecidos na hora de votar: o bolso é o mais importante fator a se considerar. Por que alguém que viveu o pesadelo FHC/Serra e melhorou muito de vida no governo Lula/Dilma votaria em Serra, Mesquitão?

José, para onde?

Solidão leva jovens ao desespero

Julia Chequer, do R7

Ao ritmo de uma batucada, solteiros de diversas partes de São Paulo participaram neste sábado da segunda passeata do Movimento dos Sem Namorado, que reuniu cerca de 200 pessoas no parte do Ibirapuera, na zona sul da capital.

Com um cartaz prometendo fidelidade às pretendentes, o estudante Gabriel da Silva, 20, comemorava os números de telefone que conseguiu.

- Já namorei mas nunca fui de me perder por ninguém. Namorada eu não vou arrumar aqui, mas já peguei vários telefones.

Já a estudante de arte Kátia Mariano, 21, de Tapiratiba (SP), lamentou a postura dos homens hoje em dia.

- Os caras de hoje são muito complicados. Nunca dá pra saber o que querem. Até hoje, só tiver enrosco, namorado mesmo nunca tive.

Mais esperançoso, o modelo Luiz Fernando Gonçalves, 22, carregava um cartaz com a frase “cansei de ser sozinho” e apostava em uma reviravolta.

- Nunca namorei, 'tô' louquinho pra namorar, e se Deus quiser arrumo uma namorada aqui.

A passeata ocorre a cerca de duas semanas do Dia dos Namorados, lembrado em 12 de Junho. No Rio de Janeiro, o ponto de é no posto seis na praia de Copacabana, na zona sul, às 14h.

Neste ano, a organização providenciou cartazes, balões, faixas e camisetas para apoiarem as passeatas e disponibilizou, no site do evento, um manual para que pessoas de outras cidades possam organizar seus próprios movimentos.

Folha e Estadão disputam Prêmio igNobel de jornalismo

Depois do Estadão chamar UM diplomata anônimo de "Especialistas internacionais", agora a Folha chama UM funcionário anônimo (sempre anônimos. Por quê?) de "Polícia Federal".


Por Jorge Furtado

Folha engana trouxa de São Paulo

A Folha de S. Paulo, mais uma vez, trata seus leitores como idiotas. (Talvez o jornal esteja certo em agir assim, talvez tenha alguma pesquisa que indique que a maioria dos seus leitores são mesmo idiotas, quem sabe?)

Manchete da FSP:
“PF avaliza visão de Serra sobre a Bolívia”

Dicionário Houaiss:

Avalizar: dar aval. Derivação, por sentido figurado: garantir a idoneidade, a propriedade de, afiançar.

Notícia da FSP:
(Serra) acusou o governo boliviano de ser “cúmplice” dos traficantes que enviam cocaína para o Brasil”

“Documentos oficiais (…) reforçam a acusação de José Serra…”

“Sob condição de anonimato, uma autoridade da Divisão de Controle de Produtos Químicos da Polícia Federal…”

“Para a PF…”

Pronto! Está armado o “engana trouxa”. Um único técnico, anônimo, passa a ser “a Polícia Federal”, que vai parar na manchete.

Perguntas:

Como um único técnico, anônimo, pode ser chamado pelo jornal de “a Polícia Federal”?

De que maneira as informações que constam na notícia, se verdadeiras, “avalizam” a acusação de José Serra de que o governo boliviano é “cúmplice” dos traficantes?

Assim como a Bolívia, a Colômbia produz cocaína. Por que a Folha de S. Paulo e Serra não acusam o governo Uribe de cumplicidade com os traficantes? Tem a ver com o fato de Morales ser índio e Uribe ser branco?

Quais os números do tráfico de cocaína no estado de São Paulo? Os tucanos, que governam São Paulo há 16 anos, são cúmplices dos traficantes?

Dirma vai ajudá os pobre i as muié


Imprestado dus Anar Pulíticu

Fracassados fazem passeata em São Paulo

Fotos da Agência Estado

Como resgatar São Paulo

Desgoverno, caos e sofrimento humano na degradada São Paulo

Mauro Carrara*

Você também não agüenta mais viver em São Paulo? Não vê retorno nos altíssimos impostos pagos ao Governo do Estado e à Prefeitura?

Você já se cansou de passar horas e horas no trânsito? Já não suporta ver semáforos quebrados ou desregulados? Já se indigna com a indústria de multas?

Já precisa tapar o nariz para andar pelas ruas lotadas de lixo?

Já teme perder seu carro numa enchente relâmpago?

Já se apavora ao saber que a cidade praticamente não tem mais polícia, e que são suas orações que protegem seus familiares nos trajetos urbanos?

Já se questiona se o suor do trabalho não é suficiente para lhe garantir um mínimo de eficiência nos serviços públicos?

Já se pergunta por que a imprensa nunca lhe dá respostas?

Já nota que o jornal e o portal de Internet nunca lhe fornecem a explicação que você procura?

Talvez, então, você esteja no grupo dos 57% de paulistanos que deixariam a capital caso pudessem, conforme apurou o Ibope.

Talvez, esteja no time dos 87% que consideram São Paulo um lugar completamente inseguro para se viver.

Mas, afinal, como chegamos a esta situação caótica na maior cidade do Brasil?

Analisaremos questões específicas (enchentes, trânsito, segurança, entre outras) do processo de degradação da qualidade de vida em São Paulo.

Porém, comecemos pelo geral.

1) Sua angústia, paulistano, tem basicamente três motivos:

a) A incompetência, a negligência e a imperícia dos grupos que, há muitos e muitos anos, se apoderaram da máquina pública no Estado de S. Paulo. Aqui, o “capitão da província” é sempre da mesma tropa.

b) O sistema desonesto de blindagem e proteção dessas pessoas pelos veículos de comunicação, especialmente a Folha de S. Paulo, o Estadão, a Rede Globo e a Editora Abril, aquela que publica a Veja.

c) A vigência de uma filosofia de gestão pública que nem de longe contempla as necessidades humanas. O objetivo da máquina de poder, hoje, em São Paulo, é privilegiar uma pequena máfia de exploradores do Estado e da cidade. O governo dos paulistas e dos paulistanos exige demais, mas oferece de menos.

2) Em pleno século 21, os velhos políticos ainda administram São Paulo como coronéis de província. São tão arrogantes quanto preguiçosos.

a) Não temos um plano coordenado de construção de “qualidade de vida” na metrópole, que coordene ações na área de saúde, educação, cultura, transporte e moradia. Todas as outras 9 grandes cidades do mundo têm, hoje, grupos multidisciplinares trabalhando duramente em projetos desse tipo.

b) Não temos um projeto sério, de longo prazo, para reestruturação e racionalização da malha viária.

c) Não temos um sistema de transporte coletivo decente. Entre as 10 maiores cidades do mundo, São Paulo é aquela com o menor número de quilômetros servidos por metrô.

3) Por que a doce chuva virou sua grande inimiga?

a) Porque os governantes de São Paulo não pensam em você quando autorizam a construção de novos condomínios e habitações. Onde havia terra e árvores, passa a existir concreto. O solo não absorve a água, que corre desesperadamente para o Tietê.

b) Porque a prefeitura simplesmente abandonou os trabalhos de construção dos piscinões. Você tem medo de morrer afogado no Anhangabaú? Pois bem, os recentes dramas no túnel teriam sido evitados se José Serra e Gilberto Kassab tivessem seguido o projeto de construção dos reservatórios de contenção nas praças 14 Bis e das Bandeiras. Até o dinheirinho já estava garantido, com fundos do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Mas os dois chefões paulistas consideraram que as obras não eram necessárias. Agora, você paga por este descaso.

c) Lidar com água, uma das mais importantes forças da natureza, exige pesquisa e conhecimento. Em São Paulo, as obras são feitas de acordo com o humor dos governantes, muitas vezes em regime de urgência. Na pressa, o resultado quase sempre é desastroso. No Grajaú, por exemplo, os erros de engenharia na canalização de córregos acabaram por gerar entupimentos, enchentes e destruição. As famílias da região perderam móveis, eletrodomésticos, roupas e alimentos. Ou seja, obra sem planejamento gera mais prejuízo que benefício.

d) São Paulo tem a sua Veneza. É o Jardim Romano, que vai afundando a cada enchente. Como se trata de periferia, a prefeitura simplesmente abandonou os projetos de drenagem e captação de águas. O resultado é água imunda dentro das casas, doença e morte. Para minimizar o problema, o governo do Estado resolveu lançar um “carro anfíbio”, apresentado com pompa pelo bombeiros. Será que, não satisfeitos com o estrago, ainda querem rir da cara do cidadão?

e) O descaso com a cidade pode ser provado facilmente. Um levantamento técnico mostra que o número de pontos de alagamento aumenta assustadoramente de ano para ano. Em 2007, a cidade tinha 9 pontos fixos de alagamento. No ano seguinte, já eram 43. Atualmente, há 152 lugares por onde o paulistano pode perder seu carro durante uma chuva. É isso aí mesmo: 152! Sem dúvida, anda chovendo bastante. Mas não se pode negar que problemas de escoamento estão gerando o caos em áreas antes seguras. É o caso da Avenida Brasil com a Alameda Gabriel Monteiro da Silva, nos Jardins. Quem podia imaginar que até mesmo a região nobre de São Paulo sofreria com alagamentos, lama e fedor insuportável?

f) O dinheiro que a Prefeitura gasta em câmeras, multadores automáticos e propaganda na imprensa poderia muito bem servir à erradicação de alguns desses problemas. No entanto, o drama da população parece não sensibilizar o prefeito nem o governador. Veja o caso dos alagamentos da Marginal Pinheiros com a Ponte Roberto Rossi Zuccolo. O problema já é grave, mas as obras nem foram contratadas, como admite a prefeitura. No caso da Zachi Narchi com Cruzeiro do Sul, na Zona Norte, a prefeitura limita-se a dizer que há um “projeto para futura implantação”. Tudo muito vago. Nenhuma pressa. No caso da Alcântara Machado (Radial Leste) com Guadalajara, a confissão oficial de incapacidade é assustadora: “as interferências não configuram possibilidades de obras para solucionar o caso de imediato”.

4) Por que São Paulo fede?

a) Porque a gestão Serra-Kassab simplesmente reduziu em cerca de 17% o investimento em varrição e coleta de lixo, especialmente na periferia. Aliás, limpeza urbana é algo que não se valoriza mesmo em São Paulo, vide as declarações do jornalista Boris Casoy sobre os garis.

b) Porque os projetos de coleta seletiva e de usinas regionais de reciclagem foram reduzidos, desmantelados ou sumariamente engavetados.

c) Porque a política de “higienização social” tem dificultado extremamente o trabalho dos catadores e recicladores.

d) Nem é preciso dizer que o lixo que se amontoa nas ruas da cidade vai parar nos bueiros. Vale notar que, nas enchentes, boa parte do lixo boiando está devidamente ensacado. Trata-se de uma prova irrefutável de que o “porco” nesta história não é o cidadão paulista, mas aquele que o governa.

5) Padarização: por que São Paulo é tão insegura?

a) O governo Serra praticamente sucateou o sistema de Segurança Pública. Paga mal os agentes da lei e ainda fomenta a rivalidade entre policiais civis e militares.

b) Em seu ímpeto privatista, o governo paulista incentiva indiretamente os empreendimentos de segurança particular.

c) Mal pagos, mal aparelhados e mal geridos, os policiais paulistas são o retrato da desmotivação.

d) Criou-se informalmente um sistema de “padarização” das patrulhas. Normalmente, os agentes da lei se mantêm na porta de uma padaria ou mercado, reduzindo drasticamente as rondas pelas áreas internas dos bairros. De certa forma, acabam se tornando uma guarda particular dos comerciantes locais. Esse fenômeno atinge não somente a periferia da Capital e de outras grandes cidades, mas também os bairros de classe média.

e) Essa mesma polícia invisível nas ruas, entretanto, ocupou o Sindicato dos Jornalistas de São Paulo (SJSP) durante ato em defesa do Programa Nacional dos Direitos Humanos. Exigiam explicações sobre o encontro… Ora, que terrível bandido se esconderia ali? Ou será que voltamos à época da Operação Bandeirantes, que visava a perseguir os inimigos do regime militar?

f) Cabe dizer: o pouco que restou da Segurança Pública é resultado do esforço pessoal de policiais (militares e civis) honestos, dedicados, que ainda arriscam a vida para proteger o cidadão. Esses, no entanto, raramente são premiados por suas virtudes.

6) Politicalha na calçada, trânsito, impostos e desrespeito ao cidadão.

a) Sem qualquer fiscalização da imprensa, o governante paulista julga-se hoje acima da lei. Não precisa dar satisfações a ninguém.

b) É o caso da Calçada da Fama, já apelidada de Calçada da Lama, no bairro de Santa Cecília. Inspirada na homônima de Hollywood, foi condenada por todos os moradores locais. Mesmo assim, a prefeitura colocou 18 homens da Subprefeitura da Sé para trabalhar na obra (afinal, eles não têm bueiros para limpar). Cabe lembrar que os “testes” de homenagens foram realizados com a colocação de duas estrelas. Uma delas tinha o nome do ex-governador Geraldo Alckmin. A outra, do atual, José Serra, o único governador do Brasil que, entre amigos, se gaba de acordar ao meio-dia.

c) Para obras desse tipo, supõe-se, o prefeito Kassab busca um “aumentaço” no IPTU, tanto para imóveis comerciais quanto residenciais.

d) Cedendo ao cartel das empresas de ônibus, Kassab também decretou aumento nas passagens, de R$ 2,30 para R$ 2,70. A poucos metros da Câmara dos Vereadores, com bombas de efeito moral e balas de borracha, a polícia de Serra reprimiu violentamente os estudantes que tentavam se manifestar contra a majoração. Agressão desse tipo, aliás, já tinha sido vista na USP, em episódio que lembrou a invasão da PUC-SP por Erasmo Dias, em 1977.

e) Se o trânsito é cada vez mais caótico em São Paulo, raras são as ações destinadas a reformar a malha viária, revitalizar o transporte público e constituir um sistema inteligente e integrado de locomoção urbana. Os técnicos da Companhia de Engenharia de Tráfego ainda planejam suas ações conforme modelos da década de 60. A obsolescência no campo do conhecimento é a marca da gestão da CET.

f) Se o tráfego paulistano é um horror, confuso e mal gerido, o mesmo não se pode dizer da indústria de multas. Em 2009, foram arrecadados R$ 473,3 milhões, valor maior do que o orçamento de cinco capitais brasileiras. Só 62 municípios do Brasil recebem, entre todos os tributos, aquilo que o governo paulistano obtém com esse expediente punitivo.

g) Com esse valor, seria possível instalar 2 mil semáforos inteligentes (raros aqueles em perfeito funcionamento na cidade) e 40 terminais de ônibus.

h) Curiosamente, se falta dinheiro para a reforma dos equipamentos de controle de trânsito, sobra para a compra de radares e aplicadores de multas. Foram 105 novos aparelhos em 2009. E a prefeitura projeta a instalação de pelo menos mais 300 em 2010.

i) Se os radares estão atentos ao motorista, dispostos a lhe arrancar até o último centavo, também é certo que não há olhos para as máfias de fiscais nas subprefeituras, especialmente na coleta diária de propinas nas áreas de ambulantes. Em 2008, membros da alta cúpula da subprefeitura da Mooca foram protagonistas de um escândalo, logo abafado pela imprensa paulistana. Hoje, os esquemas de cobrança ilícita seguem firmes e fortes. Faturam milhões, à luz do dia, na região do Brás, da Rua 25 de Março e da Lapa, entre outros, conforme denúncias dos próprios camelôs.

7) Até para fugir, o paulistano pagará caro… Dá-lhe pedágio!

a) Alguns governantes tornam-se conhecidos por construir estradas. Outros, por lotá-las de pedágios e fazer a festa de seus apoiadores de campanha. É o caso de José Serra. Em média, um novo pedágio é implantado em São Paulo a cada 30 dias. O ritmo de inaugurações deve crescer em 2010. Somente nas estradas do litoral, o governador quer implantar mais dez pedágios.

b) José Serra desistiu temporariamente de sua ideia obsessiva de implantar pedágios também nas marginais do Tietê e do Pinheiros. O desgaste político poderia inviabilizar, de uma vez por todas, seu projeto de ocupar a presidência da República.

c) Fora dos centros urbanos, entretanto, a farra do pedágio continua. Em Engenheiro Coelho, na região de Campinas, por exemplo, uma família já precisa pagar pedágio para se deslocar de um lado a outro de seu sítio, cortado pela rodovia General Milton Tavares de Souza (SP-332). Agora, para cuidar do gado, os sitiantes precisam pagar a José Serra e seus amigos da indústria do pedágio. Nessa e em outras cidades, o cerco dos pedágios deixam “ilhados” moradores da zona rural e de condomínios habitacionais. Nem mesmo o “direito de ir e vir” é respeitado.

Como resgatar São Paulo

Nos últimos anos, São Paulo vem sendo destruída e seus cidadãos humilhados. Está perdendo seu charme e carisma. Aumenta-se a carga de impostos, ao passo que os direitos básicos do cidadão são negados pela autoridade pública.

Mas nada comove a imprensa surda, muda e partidarizada. As enchentes, o lixo acumulado, as obras inacabadas, o apagão no trânsito, a fábrica de analfabetos do esquema de “aprovação automática”, as máfias de propinas, a falta de segurança e a fábrica de multas não sensibilizam os jornalistas.

A ordem nas redações é botar a culpa na sorte, nas gestões anteriores ou em São Pedro. Nenhuma tragédia é atribuída aos governantes locais. Jamais.

Quando a cratera do metrô engoliu trabalhadores, pais e mães de família, a imprensa silenciou sobre a culpa daqueles que deveriam fiscalizar a obra.

E o prefeito Gilberto Kassab ainda se divertiu, transformando a tragédia alheia em piada. Nem a Folha nem o Estadão escreveram editoriais indignados sobre o episódio.

A imprensa também se fez de boba quando a ponte do Rodoanel desabou sobre a pista, destruindo veículos e ferindo pessoas.

Aliás, os jornais estampam enormes manchetes quando se constata qualquer atraso em alguma obra do PAC. Mas não encontram relevância no atraso das obras do Rodoanel.

Já são doze anos de embromação, casos de superfaturamento e destruição do patrimônio natural nos canteiros de obras.

Na Capital, José Serra e Gilberto Kassab criaram fama ao inventar a lei “Cidade Limpa”, uma restrição sígnica ao estilo “talebã” que deixaria os habitantes de Nova York e Tóquio perplexos.

Eliminaram praticamente toda a publicidade local e, automaticamente, canalizaram milhões e milhões de Reais para jornais, TVs, rádios e portais de Internet. Um golpe de mestres.

Portanto, aquele que sofre diariamente em São Paulo precisa urgentemente revisar seus conceitos políticos, reeducar-se para a leitura dos produtos noticiosos e mobilizar-se para viabilizar a urgente mudança. Se São Paulo pode ser salva, será você, paulistano sofrido, o artífice dessa proeza.

* Mauro Carrara é jornalista, paulistano, nascido no Brás, em 1939.

sábado, 29 de maio de 2010

This flight tonight - Joni Mitchell

This flight tonight

Caso a relação entre "This flight tonight" e o "Flight simulator" não seja clara, dê uma lida na letra da Joni Mitchell lá embaixo

Look out the left the captain said
The lights down there that's where we'll land
Saw a falling star burning
High above the Las Vegas sand

It wasn't the one that you gave to me
That night down south between the trailers
Not the early one that you wish upon
Not the northern one that guides in the sailors

You've got that touch so gentle and sweet
But you've got that look so critical
Can't talk to you babe you know I get so weak
Sometimes I think that love is just mythical

Up there's a heaven, down there's a town
Blackness everywhere any little lights shine
Blackness, blackness draggin' me down
Come on light a candle in this heart of mine

Starbright, starbright, you've got the lovin' that I like
Turn this crazy bird around
Should not have got on this flight tonight

I'm drinkin' sweet champagne got the headphones up high
Can't numb you, can't drum you out of my mind

They're singin'-"Goodbye baby,
Baby bye-bye,
Ooh! love is blind"

Up go the flaps,down go the wheels
Hope you got your heat turned on baby
Hope they've finally fixed your automobile
Hope it's better when we meet again babe.

Starbright, starbright, you've got the lovin' that I like
Turn this crazy bird around
Should not have got on this flight tonight

Evidência probatória

Para quem acha que eu esqueci de tomar o Haldol e imaginei assistir ao U.F.O. segue a prova. Participação especial da Ariadne com o ingresso entre os dentes.

U.F.O. no Carioca Club

Deixando o cachorro louco morto do Serra de lado, falemos de coisas mais interessantes: eu estive nessa quarta-feira assistindo ao belo show do ressuscitado U.F.O.

Born To Be Wild

Dennis Hopper morre aos 74 anos

O ator Dennis Hopper, mais conhecido por dirigir e estrelar o clássico cult Sem Destino (Easy Rider) em 1969, morreu neste sábado (29) em sua casa em Venice, Califórnia, por complicações de um câncer na próstata, disse um amigo do ator à Reuters. Ele estava com 74 anos.

Hopper morreu às 12h15 (horário de Brasília), cercado por familiares e amigos, disse o amigo Alex Hitz.
Jack Nicholson e Dennis Hopper

"Meu nome é Serra, mas pode me chamar de Pinóquio"



Do grande CloacaNews

Game over para a tucanalha

Só resta o golpe para direita. Isso explica o comportamento psicopata do Vampiro e seus escribas amestrados.

Acabou o estoque de mentiras da Folha?

Estadão exige a invasão imediata do Brasil

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Serra é desprezível

Nem coragem de admitir o que faz esse elemento tem. Prefere jogar a responsabilidade para os poucos dirigentes do DEM que ainda estão, provisoriamente, soltos

Uma vergonha. O mais desprezível candidato à presidência que já houve nesse país. Nunca pensei que teria saudades do Picolé de Chuchu da Opus Dei.

O “corvo” Noblat

O “corvo” Noblat e o risco de golpe
Blog do Miro

No lançamento do Centro de Estudos da Mídia Alternativa “Barão de Itararé”, em 14 de maio, o blogueiro Paulo Henrique Amorim advertiu para o risco de um “golpe” contra a eleição de Dilma Rousseff. Afirmou que, no desespero com a queda nas pesquisas, a oposição demotucana poderia tentar cassar o registro da sua candidatura e, até mesmo, inviabilizar a sua diplomação. Seu grave alerta foi encarado pelos quase 300 participantes do evento com um misto de temor e ceticismo.

Na sequência, o próprio Datafolha foi forçado a reconhecer o crescimento da candidatura Dilma, “num espantoso fenômeno sísmico”, segundo nova ironia de PHA –, mas não confessou o crime eleitoral da sua pesquisa anterior. O pânico abalou a direita nativa. A fantasia do “Serrinha paz e amor”, que não é de “oposição nem da situação” e que dará “continuidade” ao governo Lula, foi rifada. No ajuste do discurso, já sem a pele de cordeiro, José Serra partiu para o ataque contra “o bolchevismo sem utopia” e o “patrimonialismo selvagem” infiltrados no atual governo.

“A luta sangrenta” de Bornhausen

Antes mesmo da Copa do Mundo, o clima já esquentou. O presidente do PSDB, Sérgio Guerra, afirmou que a eleição “será uma batalha campal”, reforçando sua imagem de “senador-jagunço”. Já o presidente de honra do DEM, o banqueiro Jorge Bornhausen, o mesmo que no passado jurou “acabar com raça da esquerda”, disse que o pleito será “uma luta sangrenta”. E O Globo informa que a reunião do comando serrista nesta semana foi tensa. A ordem é atacar. Xico Graziano, o coordenador de programa do demotucano, esbravejou: “Vamos enfrentar essa gente mentirosa”.

No desespero do naufrágio, a oposição demotucano resolveu se agarrar numa bóia de salvação. A vice-procuradora da República, Sandra Cureau, numa entrevista apocalíptica, deu uma mãozinha aos golpistas do plantão. De forma irresponsável, ela afirmou que há “uma quantidade imensa de coisas” [crimes eleitorais] e que “a candidatura Dilma Rousseff caminha para ter problema já no registro e, se eleita, na sua diplomação”. Cureau ainda disse que pedirá a abertura de uma Ação de Investigação Judicial-Eleitoral (Aije) “por abuso de poder econômico e político”.

“Falta coragem”, reclama o blogueiro

A procuradora, que também já recomendou a cassação do deputado Paulo Pereira, o Paulinho da Força Sindical, nada falou sobre os tais “crimes eleitorais” de José Serra – inclusive sua recente presença num culto religioso em Santa Catarina bancado pelo governo tucano do estado, ou sua exposição em programas do DEM e PTB. Judicializando a disputa sucessória, este poder parece que resolveu tomar de vez partido nas eleições, gerando esperanças aos golpistas de plantão.

Um dos mais excitados com as ameaças da Cureau é o jornalista Ricardo Noblat, um serviçal da famíglia Marinho, famosa por orquestrar golpes na história do Brasil. No seu blog, ele afirmou que “há abusos suficientes para ameaçar o registro da candidatura Dilma” e que isto não ocorre porque “falta ao tribunal coragem para tomar qualquer medida mais drástica a esse respeito”. O blogueiro tucano, que escondia seu nome em contratos suspeitos no Senado, parece não acreditar mais na vitória de José Serra e resolveu apelar – inclusive dando broncas no Poder Judiciário.

Um aprendiz de Carlos Lacerda

Recentemente, o sociólogo Emir Sader lançou o concurso para eleger o “Corvo” da mídia nativa. O prêmio é uma alusão a Carlos Lacerda, dono da Tribuna da Imprensa, que recebeu este apelido por conspirar contra a democracia nos anos 1950/60. “Getúlio Vargas não deve ser candidato à presidência. Candidato, não deve ser eleito. Eleito, não deve tomar posse. Empossado, devemos recorrer à revolução para impedi-lo de governar”, afirmou em maio de 1950.

Ricardo Noblat é um forte concorrente ao prêmio “O Corvo”. Ele vocaliza o espírito golpista das elites. Daí a importância do alerta do escaldado Paulo Henrique Amorim, que acompanhou as tramóias da TV Globo/Proconsult para sabotar a eleição do governador Leonel Brizola, em 1982. O deputado Brizola Neto (PDT-RJ) inclusive já propôs a criação de uma campanha da legalidade para evitar rasteiras na eleição. A sucessão será uma batalha de “vida ou morte”, como afirmou recentemente a comentarista “global” Cristiana Lobo. Nenhuma hipótese deve ser descartada!

DEMOs afundam na lama

AE - Agência Estado

O delator (?) do "mensalão do DEM" do Distrito Federal, Durval Barbosa, afirmou que o presidente nacional do partido, deputado Rodrigo Maia (RJ), era um dos beneficiários do esquema montado pelo governador cassado José Roberto Arruda. "O acerto do Rodrigo era direto com o Arruda", disse. Autor dos vídeos que levaram à queda de Arruda, de quem foi secretário de Relações Institucionais, Barbosa afirmou que a participação do presidente nacional do DEM é uma das vertentes da nova fase das investigações, com as quais colabora por meio de um acordo de delação premiada firmado com o Ministério Público Federal (MPF).

"O Ministério Público vai pegar", afirmou, referindo-se à suposta participação de Rodrigo Maia no desvio de dinheiro do governo do Distrito Federal. O ex-secretário também acusou o PMDB de receber pagamentos mensais do esquema de Arruda. Barbosa conversou com o jornal O Estado de S. Paulo na quarta-feira à noite, quando participava de uma festa para mais de 500 pessoas numa das casas de eventos mais badaladas de Brasília. Era a abertura de uma feira de noivas.

A metralhadora do delator do mensalão candango segue ativa. Além de disparar contra o presidente nacional do DEM, Barbosa afirmou que dirigentes do PMDB se beneficiavam do esquema de corrupção montado no governo Arruda. O dinheiro, segundo ele, era entregue ao presidente do diretório do partido no DF, o deputado federal Tadeu Filippelli. "Filippelli recebia R$ 1 milhão por mês para o PMDB", afirmou Barbosa. "Inclusive tem um áudio sobre isso", emendou.

O que a imprensa americana diz

Interessante a intimidade com a chifruda-mor do mundo: "Hillary". É "senhora Clinton", vira-latas.

Presidente nacional do DEM seria um dos corruptos do "Mensalão do Arruda"

Palavra de Durval Barbosa, que denunciou e PROVOU a roubalheira demo-tucana-pepessista:

O delator do “mensalão do DEM” do Distrito Federal, Durval Barbosa, afirmou ao Estado que o presidente nacional do partido, deputado Rodrigo Maia (RJ), era um dos beneficiários do esquema montado pelo governador cassado José Roberto Arruda.

“O acerto do Rodrigo era direto com o Arruda”, disse Barbosa. Autor dos vídeos que levaram à queda de Arruda, de quem foi secretário de Relações Institucionais, Barbosa afirmou que a participação do presidente nacional do DEM é uma das vertentes da nova fase das investigações, com as quais colabora por meio de um acordo de delação premiada firmado com o Ministério Público Federal.

“O Ministério Público vai pegar”, afirmou, referindo-se à suposta participação de Rodrigo Maia no desvio de dinheiro do governo do Distrito Federal. O ex-secretário também acusou o PMDB de receber pagamentos mensais do esquema de Arruda.

E aí dona Sandra e seo Aldir: não vão fazer nada?


DEM e Serra cometem crime eleitoral anunciado e continuado


quinta-feira, 27 de maio de 2010

Conheça o ministro do DEM Aldir Passarinho

"Justiça" eleitoral ignora a sequência infinita de crimes de José Serra

A quadrilha tucana continua violando impunemente a lei, fazendo propaganda do capo  do PSDB nos horários destinados aos outros sócios minoritários do consórcio.

Enquanto isso desocupados do MP, como a dona Sandra Cureau, continuam juntando recortes de jornal com matérias escritas por empregados das Organizações Serra para tentar levar o Vampiro à vitória por W.O.

Uma vergonha nacional, uma mídia criminosa e uma justiça eleitoral de fazer inveja à Fundação Vito Corleone.

'O Globo' compara Lula a ditador assassino amigo de Roberto Marinho

Pronunciamento do deputado Brizola Neto contra os golpistas


Datafolha influencia o mundo

Talvez a definição de "sexo" da pesquisa seja diferente da minha e do Bill Clinton, caso contrário nem o Datafolha teria coragem de afirmar uma bobagem dessas.

Estadão cada dia mais patético

O PCC agradece

Pior Salário Do Brasil
ALOÍSIO DE TOLEDO CÉSAR - O Estado de S.Paulo

Qualquer pessoa que vá a uma delegacia de polícia no Estado de São Paulo não deverá ter pressa, porque nelas o ambiente se mostra contaminado por situação preocupante: os delegados paulistas recebem o pior salário do Brasil, relativamente aos colegas dos demais Estados.

A expressão "o pior salário do Brasil" pode parecer exagerada, porém reflete a verdade real e angustiante vivida por esses delegados, os únicos profissionais que exercem carreira jurídica acompanhada de permanente risco de vida, representado pelo necessário enfrentamento com os criminosos.

Em vista de vencimentos que são de fato os mais baixos do Brasil, quase todas as delegacias de polícia estão numa espécie de greve branca, chamada de "operação-padrão", com a realização apenas dos serviços essenciais. Fácil imaginar como isso afeta a vida de cada um de nós, nestes dias angustiantes de insegurança cada vez maior.

Para que se tenha uma ideia do ambiente vivido nas delegacias basta registrar que desde a última posse de novos delegados, por concurso público, seis meses atrás, 10% deles já pediram exoneração, seja porque optaram por outra carreira jurídica, seja porque migraram para trabalhar no mesmo cargo em outros Estados.

Em Brasília, por exemplo, um delegado recebe no início da carreira R$ 13.368,68, o mesmo que os delegados federais, enquanto os colegas de São Paulo, em último lugar na escala de vencimentos, chegam a apenas R$ 5.203.

Acima de São Paulo, nessa relação de vencimentos, estão todos os outros Estados, mesmo os mais carentes, como Piauí (R$ 7.141), Maranhão (R$ 6.653) e Ceará (R$ 7.210). Os delegados paulistas evitam divulgar essa lista por entenderem que serve para diminuí-los e humilhá-los perante os colegas dos outros Estados.

Desde 2008, quando fizeram uma greve de 59 dias (a maior da história da Polícia Civil), houve promessas do governo estadual de melhorias para a classe, não só no que se refere a vencimentos, como também, e principalmente, quanto à estrutura administrativa. Nenhuma delas foi cumprida e o clima interno nas delegacias acabou carregado pelo desânimo.

Objeto Voador Não Identificado Visualizado em São Paulo

Serra não precisa de inimigos

Depois de declarar guerra ao Irã e à Argentina, o maníaco da Mooca agora quer invadir a Bolívia. Se Dilma ficar quieta até outubro e deixar esse desequilibrado falando sozinho a eleição está ganha. Nem Sarah Palin compete em matéria de despreparo para exercer cargos de importância.

Matt Damon disse que eleger Sarah Palin seria um filme ruim da Disney, eu diria que Serra seria uma péssima novela da Globo.



Vídeo do Blog do Brizola Neto

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Serra comete hoje MAIS UM crime eleitoral

Serra deve ocupar cerca de oito minutos do programa do PTB
Da Ditabranda:

O pré-candidato do PSDB à Presidência, José Serra, deve ocupar aproximadamente oito minutos do programa que o PTB levará ao ar no dia 24 de junho.

O presidente nacional da sigla, Roberto Jefferson (RJ), já teve uma conversa com o coordenador de comunicação da campanha, Luiz Gonzalez, sobre o programa. A ideia é exibir cenas da convenção do PTB, que acontecerá nos dias 18 e 19 de junho, em São Paulo.

“Só preciso de um a dois minutos para apresentar Serra”, explicou Jefferson. Segundo ele, a produção do programa ficará a cargo da equipe de Serra. “Não podemos errar”, afirmou.

Ainda segundo o presidente do PTB, a aparição de Serra no programa –desde que com cenas da convenção– obedece à lei.

Em 2002, o próprio PSDB tentou tirar do ar o programa em que o PTB veiculava cenas do discurso de Ciro Gomes na convenção partidária. Mas o TSE, segundo Jefferson, autorizou o uso das imagens.

Ontem, depois de almoço com Serra, Jefferson reiterou apoio ao PSDB. Segundo ele, o acordo está “fechadinho, fechadinho”.

Na terça-feira, Jefferson e o tesoureiro do PTB, Benito Gama, se reúnem com o presidente nacional do PSDB, Sérgio Guerra, e com Gonzalez para discutir o programa.

Lei Eleitoral:
Art. 54. Dos programas de rádio e televisão destinados à propaganda eleitoral gratuita de cada partido ou coligação poderá participar, em apoio aos candidatos desta ou daquele, qualquer cidadão NÃO FILIADO A OUTRA AGREMIAÇÃO PARTIDÁRIA ou a partido integrante de outra coligação, sendo vedada a participação de qualquer pessoa mediante remuneração.
TSE

Darth Serra: o Império contra-ataca



Dica do Carlos Cassaro

Um acordo e seis verdades

José Luís Fiori, no Valor Econômico

“A mediação bem sucedida de Lula com o Irã alçaria o Brasil no cenário mundial.” O Globo, 16 de maio de 2010, p. 38.

Na terça feira, 18 de maio de 2010, foi assinado o Acordo Nuclear entre o Brasil, a Turquia e o Irã, que dispensa maiores apresentações. E como é sabido, quarenta e oito horas depois da assinatura do Acordo, os Estados Unidos propuseram ao Conselho de Segurança da ONU, uma nova rodada de sanções ao Irã, junto com a Inglaterra, França e Alemanha, e com o apoio discreto da China e da Rússia.

Apesar da rapidez dos acontecimentos, já é possível decantar algumas verdades no meio da confusão:

1) A iniciativa diplomática do Brasil e da Turquia não foi uma “rebelião da periferia”, nem foi um desafio aberto ao poder americano. Neste momento, os dois países são membros não permanentes do Conselho de Segurança da ONU, e desde o início contaram com o apoio e o estímulo de todos os cinco membros permanentes. Além disso, as diplomacias brasileira e turca estiveram em contato permanente com os governos desses países durante a negociação. A Turquia pertence à OTAN, e abriga em seu território armas atômicas norte-americanas. E o presidente Lula recebeu carta de estímulo do presidente Barack Obama, duas semanas antes da assinatura da visita de Lula, e a secretária de Estado norte-americana declarou – na véspera do Acordo – que se tratava da “última esperança” de solucionar de forma diplomática a “questão nuclear iraniana”.

2) O que provocou surpresa e irritação em alguns setores, portanto, não foram as negociações, nem os termos do acordo final, que já eram conhecidos. Foi o sucesso do presidente brasileiro que todos consideravam impossível ou muito improvável. Sua mediação viabilizou o acordo, e ao mesmo tempo descalçou a proposta de sanções articulada pela secretária de Estado americana depois de sucessivas concessões à Rússia e à China. E, além disso, criou uma nova realidade que já escapou ao controle dos Estados Unidos e seus aliados, e do Brasil e Turquia.

3) A reação americana contra o Acordo foi rápida e ágil, mas o preço que os Estados Unidos pagarão pela sua posição contra esta iniciativa pacifista será muito alto. Perdem autoridade moral dentro das Nações Unidas e perdem credibilidade entre seus aliados do Oriente Médio, com a exceção de Israel, por razões óbvias. E já agora, passe o que passe, o Brasil e a Turquia serão uma referência ética e pacifista, em todos os desdobramentos futuros deste contencioso.

4) Existe consenso que a estrutura de governança mundial estabelecida depois da II Guerra Mundial, e reformulada depois do fim da Guerra Fria, já não corresponde à configuração do poder mundial. Está em curso uma mudança na distribuição dos recursos do poder global, mas não se trata de um processo automático, e dependerá muito da capacidade estratégica e da ousadia dos governos envolvidos nesse processo de transformação. O Oriente Médio faz parte da zona de segurança e interesse imediato da Turquia, mas no caso do Brasil, foi a primeira vez que interveio numa negociação longe de sua zona imediata de interesse regional, envolvendo uma agenda nuclear, e todas as grandes potências do mundo. A mensagem foi clara: o Brasil quer ser uma potência global e usará sua influência para ajudar a moldar o mundo, além de suas fronteiras. E o sucesso do Acordo já consagrou uma nova posição de autonomia do Brasil, com relação aos Estados Unidos, Inglaterra e França e, também, com relação aos países do Bric.

5) O acordo seguirá sendo a melhor chance para prevenir um conflito militar em todo o Oriente Médio. As sanções em discussão são fracas, já foram diluídas, não são totalmente obrigatórias, e não atingirão a capacidade de resistência iraniana. Pelo contrário, se foram aprovadas e aplicadas, liberarão automaticamente o governo do Irã de qualquer controle ou restrição, diminuirão o controle norte-americano e da AIEA, acelerarão o programa nuclear iraniano e aumentarão a probabilidade de um ataque israelense. Porque os Estados Unidos já estão envolvidos em duas guerras, e não é provável que a OTAN assuma diretamente esta nova frente de batalha, a despeito do anti-islamismo militante, dos atuais governos de direita, da Alemanha, França e Itália.

6) Por fim, o jornal “O Globo” foi quem acertou em cheio, ao prever – com perfeita lucidez – na véspera do Acordo, que o sucesso da mediação do presidente Lula com o Irã projetaria o Brasil, definitivamente, no cenário mundial. O que de fato aconteceu, estabelecendo uma descontinuidade definitiva com relação à política externa do governo FHC, que foi, ao mesmo tempo, provinciana e deslumbrada, e submissa aos juízos e decisões estratégicas das grandes potências.

José Luís Fiori é professor titular de economia política internacional do Núcleo de Estudos Internacionais da UFRJ, e co-autor do livro “O Mito do Colapso do Poder Americano”, da Editora Record, 2008. Escreve mensalmente às quartas-feiras.

Receita de golpe

COMO HONDURAR ou (Receita para um Golpe Constitucional)
Colaboração do Tyndaro

Como está o clima hoje? Vai chover? Vai fazer calor? Golpe militar, para muitos, é questão de clima. "Não é possível um golpe militar, hoje, no Brasil, porque não há clima", dizem. 

Como se sabe, quem depende de clima é agricultor. Golpes de Estado precisam de oportunidade, e oportunidade pode simplesmente aperecer ou, então, ser criada. A mistura certa de ingredientes, alguns previa e adredemente colocados (v.g., art. 142 da CRFB) com outros anexados na hora certa e, "voila", eis a oportunidade! Mas... como fazer para hondurar um golpe?

Hondurar significa fazer um golpe militar parecer ser legal e constitucional. Note que, em Honduras, a Suprema Corte deu total aval ao golpe. Mas como...??? Vamos à nossa receita de "Golpe à Hondurenha":

INGREDIENTES:

a) Um ou mais partidos que apresentem reclamações (no nosso caso, contra o(a) candidato(a) da preferência do povo);
b) Um ou mais procuradores do MP Eleitoral (para oferecer a denúncia que vise impedir a inscrição, diplomação, posse, ou ainda a cassassão do candidato do povo);
c) Um Judiciário (para acatar a denúncia do MPE e legitimar o golpe);
d) Uma mídia nativa, totalmente simpatizante do golpe (para dar um verniz de legitimidade ao golpe);
e) Um povo inconformado e revoltado com o golpe (terá que ir às ruas protestar. Se não for, o golpe estará consumado, porém não será o legítimo " à Hondurenha") e
f) Uma Constituição que preveja a intervenção das forças armadas para o cumprimento da lei e reposição da ordem por determinação do Judiciário (art.142 da CRFB).

JUNTANDO OS INGREDIENTES:
  • O ingrediente "a" é fácil. Já está no caldeirão faz tempo (PSDB, DEM, PPS...).
  • O ingrediente "b" acaba de chegar na cozinha (olá, Sra. Vice-Procuradora-Geral Eleitoral, Sandra Cureau).
  • O ingrediente "c" conta com algumas especiarias que costumam agridir o paladar da maioria, mas já é de todos conhecido. Não é difícil de encontrar e há tempos está na despensa podendo algumas das especiarias serem usadas a qualquer hora, dependendo da que você escolher.
  • O ingrediente "d" não é bem um ingrediente. Está mais para o nosso fogão. Sempre esteve na cozinha soltando fogo pelas ventas e é um veterano em receitas de golpes (Globo, Veja, Folha, Estadão, Época...).

Juntamos os ingredientes "a", "b", e "c", ligamos o "d" e já podemos ver um golpe formado! Ainda não é o militar/hondurenho. Até aqui, aprendemos a fazer um golpe civil (o mais simples). Para chegarmos ao militar\à hondurenha, devemos acrescentar, agora, o ingrediente "e". Este ingrediente é muito importante para essa nova etapa. Serão necessárias manifestações, greves, passeatas, acampamentos nas portas dos palácios, protestos, enfim, algo que irá reagir com o ingrediente "d" para que este, por sua vez, desencadeie uma reação junto ao ingrediente "c". Esta última reação irá fazer surgir o ingrediente "f".

O INGREDIENTE "F":

O ingrediente "f" foi colocado na despensa da nossa cozinha em 1988. Muitas pessoas (os constituintes) colocaram coisas e mais coisas que lhes pareciam oportunas e convenientes (não é Sr. Jobim?) na nossa despensa, sendo que uma delas é o Art.142, "caput" da nossa constituição. Eis a descrição do ingrediente "f":
"Art. 142. As Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica, são instituições nacionais permanentes e regulares, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da república, e destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, POR INICIATIVA DE QUALQUER DESTES, da lei e da ordem."

Ou seja: qualquer dos poderes constituídos brasileiros (Executivo, Legislativo e JUDICIÁRIO) pode convocar as Forças Armadas para o restabelecimento da Lei e da ordem. Eis aí o segredo culinário hondurenho!

FINALIZANDO:

Seguindo nossa receita, o ingrediente "c" determina a intervenção militar baseado no ingrediente "f" e... tchan, tchan, tchan, tchannnn!!! Está pronto um legítimo "golpe à hondurenha". Os militares agem sob o manto da legalidade, colocam outra pessoa qualquer no poder (quem seria...?) e o produto final passa a se chamar " democracia". Agora é só servir com golpes de cacetete, choques na genitália, desaparecimentos ou o que você inventar. Os acompanhamentos podem ser vários. No Brasil usou-se muito o pau-de-arara. A criatividade culinária, nesses casos, não tem limites...

ADVERTÊNCIA!

Apesar de parecer simples, esta receita nem sempre funciona. Qualquer descuido e os ingredientes poderão ficar irremediavelmente imprestáveis para nova tentativa, devendo os mesmos serem jogados, imediatamente, no lixo!

T.G.Meirelles

terça-feira, 25 de maio de 2010

Por cima de nossos cadáveres

Blog da Cidadania

Vamos chamar pelo que é esse ensaio da próxima linha de ataque da direita brasileira: tentativa de golpe contra a vontade popular. Simples assim. Com base em interpretação dúbia de leis, a direita quer fazer a Justiça Eleitoral tirar da disputa pela Presidência da República a sua principal adversária exatamente no momento em que vai ficando claro que a eleição dela é vontade da maioria do eleitorado brasileiro.

E não é porque a lei eleitoral trata os brasileiros como burros que eles são, pois todos sabemos que vantagem ilegal tem, sim, o PSDB, pois tem toda mídia, inclusive as concessões públicas de rádio e tevê, do lado dele, dizendo que Dilma “cometeu gafe”, que sua campanha “vai mal”, que ela está “empacada”, que um de seus marqueteiros é uma besta etc.

É de estranhar uma justiça eleitoral que não enxerga o abuso de poder econômico que são as propagandas do governo de São Paulo em todas as rádios e tevês durante toda a programação de todas as emissoras abertas e até fechadas à razão de pelo menos umas 10 peças publicitárias por hora, às vezes mais.

E essa, acima, é apenas uma das incoerências dos tucanos, que atacam adversários pelo que fazem desabridamente em termos de campanha eleitoral antecipada e de vantagem injusta sobre o adversário.

O PT teve o programa dele de dez minutos e os tucanos terão o seu. Podem aproveitar para difundir Serra ou não, mas já aproveitaram antes e há várias provas gravadas, a maioria das quais não vieram a público, sem falar que a vice-procuradora-geral eleitoral, Sandra Cureau, ao dizer que há mais provas contra o PT, contra o PSDB não disse que não há, mas que há menos, apenas.

O que é estranho é que a procuradora disse que há menos provas contra o PSDB porque ele não tem a máquina pública, sendo que, até algumas semanas, teve apenas o segundo orçamento do país nas mãos, o de São Paulo, e continua tendo, como se vê nas exaltações do governo tucano paulista em programas caríssimos em todos os horários de rádio e tevê.

Enfim, quero crer, ainda, que a Justiça Eleitoral deverá funcionar e que a doutora Sandra saberá explicar o grande número de posições contra o PT e o número zero de posições contra o PSDB que tem adotado, pois a aceitação da representação do Movimento dos Sem Mídia foi totalmente apartidária, para investigar institutos de pesquisa dos dois lados, se é que algum deles tem lado…

Mas, enfim, acho que chegou a hora de a onça beber água. Acho que a sociedade civil deve começar a se mobilizar já e os partidos da aliança governista que sustenta Dilma Rousseff devem pedir explicações à Justiça Eleitoral.

Quanto a mim, já me considero engajado em qualquer forma de resistência a um golpe análogo ao de Honduras, que a mídia brasileira carinhosamente chamou de “constitucional” – ou seja, um golpe de Estado, uma ruptura ilegal da democracia por definição, passa a ser compatível com a mesma Constituição que proíbe golpes, na visão da direita brasileira.

E também comunico que o Movimento dos Sem Mídia já se mobiliza para analisar e agir contra essa possibilidade de ruptura “constitucional” do processo eleitoral legal e democrático no qual somente o povo tem poder para decidir, pois considera que cassar uma candidatura que vem crescendo com intensidade devido ao amplo apoio popular, é golpe.

O próximo passo do MSM virá no momento oportuno, pois. Mas o da sociedade civil deveria começar já, na impossibilidade de ter começado ontem.

Eduardo Guimarães
Real Time Web Analytics