domingo, 12 de junho de 2011

São Paulo nas mãos da mediocridade

A METRÓPOLE ENTREGUE À MEDIOCRIDADE 

Às vésperas de um ano eleitoral, o caixa da prefeitura demotucana de São Paulo está recheado. Cerca de R$ 7 bilhões em recursos não investidos nas urgências da população foram reservados pelo alcaide Gilberto Kassab para maquiar o medíocre desempenho de sua gestão nos últimos anos, que se manteve assim em fina sintonia com a de seu criador, José Serra. 

A arquiteta Raquel Rolnik, em seu blog, dá a medida dos valores estocados. O superávit recorde da administração municipal equivale ao orçamento anual de uma cidade como Belo Horizonte (R$7,5 bi). Aproxima-se do investimentos total previsto pela prefeitura para 2011 (R$ 8,5 bi). Ou seja, Kassab tem dois anos de inversões nas mãos graças, em parte, a aumentos de até 60% do IPTU e ao reajuste superlativo das passagens de ônibus nos últimos 18 meses. Elas saltaram de R$ 2,30 em janeiro de 2010 para R$ 3 reais. Um aumento superior a 30% para uma inflação acumulada inferior a 10%. 

Se os sofres estão firmes, a cidade aderna. Não é preciso ser oposicionista, basta ser transeunte para constatá-lo. Com a cobertura complacente da mídia sem a qual Kassab não teria sido eleito, São Paulo vive um ciclo de decadência de irretocável coerência. Ruas sujas, abrigos de ônibus caindo aos pedaços, inundações sem planos equivalentes à gravidade alcançada pelo problema, flacidez administrativa, saúde sem investimento, o trânsito deixado à própria sorte e o sentimento mais ou menos disseminado de que vivemos numa cápsula de concreto e fumaça onde o interesse público foi asfixiado. 

De novo, é Raquel Rolnik quem resume o vale-tudo urbano reafirmado diariamente nas artérias necrosadas da metrópole: "a cada mês, o paulistano passa dois dias e seis horas no carro ou no transporte público para se locomover. Os paulistanos perdem, em média, 27 dias por ano presos no congestionamento". Só a aposta numa cumplicidade orgânica da mídia explica a desenvoltura do prefeito que agora regurgita planos e ações, com promessas de fazer nos próximos 12 meses tudo o que ele e seu padrinho não cogitaram em seis anos: hospitais, parques, escolas, mais ônibus, ciclovias etc etc etc . São Paulo é a quarta maior mancha urbana do planeta. Conecta uma população da ordem de 19 milhões de pessoas (quase um Portugal e uma Suíças juntos) interligando cerca de 39 municípios. 

O político em cujas mãos o PSDB depositou o destino desse emaranhado humano tem a seguinte opinião sobre planejamento e metas: "Poderíamos não atender [as metas], porque meta é meta. Meta não é compromisso"(Folha 10-06). A esquerda de São Paulo não pode ter outra meta para 2012 a não ser a inovação do planejamento e a mobilização da cidadania para derrotar a desfaçatez política e o acinte administrativo.

6 comentários:

Ane Brasil disse...

É mesmo necessário algum comentário? só me impressiona que o próprio paulistano, que sente na carne tudo isso,m ainda vote nessa corja tucana.
Sorte e saúde pra todos - menos pras aves esquisitas!

Anônimo disse...

infelizmente,ser paulistano parece ser sinonimo de resignado,mediocre,
se adaptar ao quanto pior,melhor e
mais ainda, ver que pra viver na cidade de são paulo tem que ter dinheiro e consumir e seguir qualquer
coisa que ditar a "santa aliança"(PIG,usp,fashionistas,publicitarios,
culturetes,folhetes,lobbistas de si
mm e interesses submliminares).

Cesar disse...

Sou "paulistano" e não voto na corja demotucana...ainda que com kassab o nome do partido mude!
"meta não é compromisso"...isso só possivel graças ao povo que o elegeu!
Seria muito pedir que ele morra num "acidente" qualquer dia deste!?
Peço àquele "deus" que não existe que escute minhas preces...mas até agora nada!

Celso C. Silva disse...

Olha só a cara do Zé pedágio Serra e olha que esta foto é do dia da vitória do seu poste nas eleiçôes municipais de 2008,imagine a cara dele depois da derrota nas eleições presidenciais para a DILMA em 2010.

cleofas astronium urundeuva disse...

um ditado antigo e certo ,todo povo tem o governo que merece, os paulitanos que elegerão kassab e serra devem estar contente com seus governantes ,agora estes paulistas gostão é mesmo da élite governando são paulo,até parece que são paulo não tem trabalhador só empresários pois os eleitores só votão com a elite ,e querem que a elite vá se preocupar com trabalhador.Eleitor amigo pobre é pobre e rico é rico isto é iqual aguá e oleo não se mistura

MARCOS disse...

Os fieis defensores da redução tributária aumentando IPTU em 60%!

Real Time Web Analytics